Um passeio por Skeptna – animais e seres fantásticos (parte II)

18 04 2008

Agora que você já conhece um pouco da natureza dos seres skeptnianos, posso introduzir você ao conhecimento de outros animais que vivem por aqui. Creio que será melhor você entender a criação de Yimnaax se eu separar os tipos ou raças que conheço. Sendo assim venha comigo e seja apresentado a alguns dos habitantes deste planeta:

– Animais comuns não-falantes: Hoje em dia, no ano 2.500 DGS, estes são a maioria que está vagando por Skeptna, aguardando a redenção de toda a criação. Atualmente são parecidos os animais do planeta Terra, ou seja, alguns são selvagens, outros domésticos…

Bem, alguns animais podem não se parecer muito com os da Terra. Ao que sei, uma diferença na cor aqui, no tamanho ali, com mais ou menos características… De fato muitos podem apenas “lembrar” os da Terra, mas não ser exatamente iguais a eles.

Um bom exemplo é o que seria o similar ao leopardo, o Karsentos: um felino que ao invés de pintas pretas, tem pintas brancas e um pequeno chifre espiralado amarelado em sua testa e não possui cauda…

– Animais comuns falantes: Alguns dos animais possuem o dom da fala. São poucos os que falam e aqui são chamamos de llamnabonnes (animais que falam). Não dá pra diferenciá-los dos outros somente pela aparência quando estão sozinhos, a não ser que você consiga vê-los em bando pois, normalmente, os llamnabonnes são um pouco maiores.

Mesmo que você consiga deparar com um dos falantes, não é certeza que você desfrutará de um bom papo. A maioria dos llamnabonnes estão desconfiados ou amedrontados e alguns quase não falam inteligivelmente por falta de prática.

– Seres fantásticos: são os mais distintos em toda Skeptna. A maioria deles tem o dom da fala e alguns são quase humanóides. Eles carregam em si um poder mágico ou uma habilidade especial que pode ir desde a cura e invisibilidade ou até mesmo o poder de fazer plantas crescerem… Eu nem consigo descrever quantos são apenas aqui. O Lanturena é um caso típico destes.

É claro que depois da Grande Separação, alguns perderam a pureza de Yimnaax e passaram a matar outros seres, destruir as florestas e atacar os skeptnianos. É o caso de Susteralus, a grande cobra d’água que uma vez ao ano mata e destrói tudo o que vê pela frente lá na Ilha da Água.

Mas ainda existem seres bons nesta terra, e ainda são maioria. É claro que o propósito ao qual eles estavam designados foi perdido, por causa do pacto que os skeptnianos do início da criação fizeram com Orpalor… Mas eu ainda tenho esperanças que tudo será restaurado e Yimnaax volte a reinar soberano.

Este foi um resumo do que você pode encontrar, caso venha me visitar em Skeptna. Mas ainda hei de falar de muito mais coisas. Contarei mais Contos & Lendas e pretendo colocar mais informações na seção que fala do meu Planeta…

Até a próxima… O convite ainda está de pé.
(Mestre Ylykatop é um personagem de ficção… e você, é real?)

Anúncios




Um passeio por Skeptna – animais e seres fantásticos (parte I)

30 03 2008

Continuando nossa jornada textual pra conhecer um pouco mais do meu planeta… Eu tenho tanto a dizer sobre os animais e dos seres mágicos que aqui habitam… De fato nem sei por onde começar, pois não quero menosprezar nenhum deles. Todos os seres em Skeptna (sejam eles mágicos, fantásticos ou não) possuem características interessantes e distintas que os torna objeto de estudo a parte… Mesmo que eu não fale de todos aqui neste texto, voltarei a falar deles aqui e também nos contos que permeiam este lugar criado por Yimnaax.

unicornio.jpg

Um dos seres que eu quero retratar é o Unicórnio, aqui chamado de Lanturena – algo como “Belo Cavalo Mágico”. Poucos conseguiram vê-lo e é menor ainda a quantidade de pessoas que o tocaram. Eu sou um desses raros casos… O Lanturena é um ser bem reservado, que aparece a beira de um pequeno riacho da Ilha da Luz após dias chuvosos. Já ouvi pessoas dizerem que ele já mostrou sua brancura em outras ilhas, mas a vez que eu o vi foi na Ilha da Luz, durante minha juventude. Neste dia eu consegui tocá-lo e no momento que eu acariciava sua crina, ouvi ele falar comigo:

– Jovem, percebo que em seu espírito você tem desejado conhecer o propósito de sua existência. Até mesmo já ouviu falar sobre Yimnaax, a Força Maior, mas as dúvidas em seu coração tem deixado você confuso…

Eu me surpreendi e falei:

– É verdade, eu já tive sete sonhos diferentes. Em cada um deles um ser divino chamado Alytulor me levava a uma das ilhas e abria um pergaminho que possuia uma boca e dois olhos. Cada vez este pergaminho falava tristemente e chorava, sempre me contando da tristeza de Yimnaax. Enquanto eu sentia aquilo cortar meu coração como uma espada fui preenchido comuma disposição de retirar a dor daquele que chorava. Ele me falava sobre outros tempos, e lá eu ouvi sobre a gênese de Skeptna e sobre o plano da Grande União.

E então Lanturena me respondeu:

– Eu tenho ouvido também o choro das árvores, dos animais, dos rios e das montanhas. Toda a terra clama para que tudo volte a ser o que era. A criação deseja ser redimida, voltar ao que era. Cabe a você ouvir este chamado de Yimnaax e buscar aqueles que se importam com Seu coração. Agora lhe dou o poder de também escutá-los, ser tocado por sua tristeza e discernir suas vozes.

Logo em seguida é como se uma estrela brotasse da ponta de seu único chifre dourado e seu brilho invadisse meus olhos e coração. Quando voltei a mim, após aquele momento sublime, percebi que Lanturena já tinha partido – como e pra onde eu não sei.

De fato ele é um ser fantástico que pode curar feridas com um simples toque. Um ser puro que me apontou Yimnaax e que também deseja que tudo seja cumprido. Um animal nobre que se escondeu porque os habitantes de Skeptna se tornaram maus e egoístas. Gostaria que você pudesse encontrá-lo, pra ouvir sua sabedoria e tristeza.

Eu ainda preciso falar dos outros seres e animais, mas antes era necessário explicar como eu comecei a ouvir a voz da natureza skeptniana. Nos próximos textos você vai compreender melhor, sem se espantar, quando eu transcrever o que eles tem falado comigo e o que aprendi com eles. O convite continua de pé, nos vemos no próximo texto.

(Mestre Ylykatop é um personagem de ficção… e você, é real?)
fotos públicas do flickr